Aventuras do prazer

00:35


* este é o primeiro  capitulo de um livro, os nomes aqui citados são todos ficticios. 

Quero me apresentar para vocês , meu nome é Clarisse Martinelly tenho apenas 19 anos mas levo uma vida que você jamais imaginaria que uma garota da minha idade vive.
Quem me conhece desde sempre ou há alguns anos sabe que muita coisa aconteceu comigo e eu mudei muito, também depois de vários tombos e coração machucado uma hora caímos na real e resolvemos mudar e seguir em frente.   Com o tempo e por incrível que pareca com os homens , descobri que não preciso ser somente peito e bunda pra poder chamar atenção, só ter o que eles querem: aquilo que temos no meio das pernas. 
Ultimamente os caras não ligam se você é gostosa  ou não( se for melhor ainda) mas sendo mulher e tendo uma coisinha no meio das pernas pode se dar por satisfeita.  Eu por exemplo sou uma magrinha de 1,60 de altura, uso lingerie tamanho P , e uma bundinha mínima mas empinadinha, era o patinho feio da época de escola hoje conquisto quem quero e olha não é difícil.
Vamos começar as aventuras?

1 ° aventura

Eu já tinha perdido minha virgindade com meu ex namorado, estava solteira já a 1  ano quando conheci um cara que mudaria minha vida sexual de casual para ativa.  Leonard não teria ideia de que nossas aventuras transformaria uma garota que aos 15 anos tinha medo de beijar para uma ninfomaníaca.
Leonard era um cara que viajava muito a trabalho e só o veria nos fins de semana,  ele era melhor amigo do irmão da minha colega de trabalho, no começo era aquela mesma historia, nem me interessei e jamais pensei que me envolveria com um cara como ele. Eu tinha só 18 anos e ele já pros 24 , estilo hippister, mente aberta e um membro entres as pernas muito grande e principalmente muito ativo.   Trocamos contato por facebook , mensagens por whatsapp então ele mandou a real.
Você sabe que não sou só de beijinhos- disse Leonard – se quer algo comigo tem que ser por diversão.
Quem disse que quero algo serio- respondi- quero uma amizade colorida, você me satisfaz, eu te satisfaço ambos ficamos na mesma certo? – depois desse dia descobri um lado de mim que nem eu mesma conhecia, mas sabia que dali em diante seria outra pessoa, alguém que teria um desejo sexual muito grande, uma quase ninfomaníaca.  
A conversa com Leonard ficou cada vez mais quente, foi quando as fotos de lingerie começaram, e quando comecei a gostar mais de mim, do meu corpo.
Linda, eu te levaria fácil pro motel- disse leonard, mal sabia ele o efeito que essas palavras me causavam, um frio na barriga novo, uma mistura de medo com vontade louca- vamos vai?
Tive que pensar um pouco, não é fácil topar ir para o motel com um cara que conheceu a pouco tempo e mal sabe se o beijo dele é bom ou não, vai que chego la o cara não beija bem e na cama é pior ainda.  Não sou garota de programa pra aceitar qualquer um , pelo contrario , sou exigente em alguns critérios e essa seria uma das coisas.  Eu moro com minha mãe, faz um ano já que meus pais estão separados, e minha mãe já esta saindo com outro cara, nesse dia ela resolveu sair com ele, e quando ela sai não volta no mesmo dia, foi a minha deixa para aceitar o convite e propor que fossemos nesse mesmo dia.
Minha mãe só volta amanha, quer ir hoje?- perguntei juntamente com uma carinha de malicia no final da mensagem, apertei enviar e aguardei resposta.
Quando meu celular vibrou meu coração gelou, não sabia onde essa minha loucura iria parar. A resposta era o que eu queria, mas meu psicológico não estava muito preparado para isso.
Onze horas passo ai pra te buscar- respondeu ele,  foi então que comecei a suar frio, e pensar que não tinha roupa pra sair com ele, mas porra estou indo para um motel, vou acabar sem roupa de qualquer jeito, e esse era meu maior medo, tenho um pouco de vergonha disso, meus peitos parecem dois limões e eu sou muito magrinha sei la.
Liguei para Cristina e pedi um conjunto branco dela pelo qual sou apaixonada, esperei minha mãe sair então comecei a me arrumar. Eu estou tão nervos que tive que apelar para o homem que toda mulher deveria ter em casa “ Jose Cuervo” a tequila que ganhei ao subornar o namorado da minha mãe. E la se foram sete shots de tequila até as onze horas da noite. A hora não passava e eu estava ansiosa e nervosa já, quase desistindo, quando decido ligar pra ele.
Leonard? – espero ele responder ,  amo quando as pessoas se atrasam, só que não mesmo, poxa, eu me arrumo toda e bebo também pro cara demorar um século? A mulher da historia sou eu e não ele.
Oi, Clarisse, desculpa a demora, tive uns probleminhas aqui em casa, mas cinco minutos estou ai;- responde Leonard, vou perdoar dessa vez porque já estou de porre.- Ok, sem problemas , não demora mais- disse , em seguida desliguei o celular e aguardei.
Cinco minutos depois escuto uma busina e o telefone toca, meu coração dispara, porra ele chegou , é agora ou nunca.
Atendo o telefone, enquanto pego minhas coisas- Já estou saindo, dois minutos.- aviso desligando o celular.
Ele este lá fora encostado no seu Opala preto, não faz o tipo de galã de novela, mas olha, esse jeito malandrão sempre me atraiu muito, sei la tem um fetiche por caras safados.
Olá linda, esta pronta- pergunta dando um sorriso malicioso que ó me faz ficar ainda mais exitada, só de pensar na ideia de ir para o motel começo a ficar mais animada ainda.
Estou pronta sim, vamos?- respondo retribuindo o sorriso dele, com um olhar ainda mais malicioso. Eu sento e como boa moça, coloco meu cinto de segurança, e ele riram de mim, liga o som e coloca uma musica que ambos gostam, estranho né, ir a um motel escutando Charlie Brown Junior.
Chegamos em 20 minutos no motel perto de casa, que maravilha, já não gosto do lugar onde moro, e ele me leva pra um que eu sempre passo em frente e achava muito feio, mas vamos lá, já estamos aqui.
Paramos na recepção, eu com vergonha entrego meu RG e viro o rosto, ele ri e entrega nossos documentos, e pede uma suíte, não a mais barata e nem a mais cara. Chegando no estacionamento eu saio do carro já com vergonha.
Subimos em silencio e enfim chegamos a nossa suíte, ele abre a porta e eu entro , sento na cama e tiro meus sapatos ainda envergonhada.
Ele senta ao meu lado, e começamos a conversar de coisas muito nada a ver com a ocasião, quando finalmente ele resolve agir, começa a cariciar minhas pernas, chega perto e finalmente me beija, seus lábios são carnudos, o movimento da sua língua com a minha tem uma sincronia tão intensa que me perco no seu beijo, ele chega mais perto e me agarra pela cintura, me aperta pra mais junto e eu sinto já o volume em sua calça, meu deus e que volume, se ele já tem 1,90 de altura imagina o tamanho de seu pinto.
Leonard tira minha blusa e joga pra ponta da cama, me puxa pra seu colo, sento como se estivesse montada, enquanto ele me beija sento no seu colo fazendo movimentos circulares, o que me excita e muito visivelmente a ele também. Finalmente ele me joga na cama e tira o resto da minha e de sua roupa, caralho confirmado a teoria do tamanho, olhei para baixo com os olhos brilhando e uma vontade louca de ser possuída, ele vem lentamente pra cima de mim e encaixa seu pinto enorme dentro de mim, porra que delicia, movimentos lentos incialmente, só pra me fazer querer mais.
- nossa linda, como você é gostosa- sussurra em meu ouvido, em seguida beija meu pescoço me deixando louca- quero te comer todinha.
Caralho esse homem sabe realmente me deixar louca. Então me vira de lado, coloca minha perna por cima da sua para ter mais acesso a minha buceta, a velocidade aumenta junto com meus gemidos baixos.
Porra como você é gostoso – sussurro em seu ouvido- quero mais , vem com tudo , me possui. – me revelei de um jeito que me surpreendeu. Foi ai que vi que realmente era uma apreciadora de sexo.
Leonard me pegou de quatro, com força, e com gostoso que senti minhas pernas bambas, mas com um orgasmo de sentir arrepio até na coluna.
Depois de duas horas transando loucamente, deitamos lado a lado nu, num silencio profundo, não é atoa que precisávamos de ar pra respirar um pouco.
Pegamos as roupas e nos trocamos, e então resolvemos ir embora , voltamos do mesmo jeito que fomos, ouvindo nosso Charlie Brown Junior, ele me deixou em casa e seguiu seu caminho.

Essa foi mais uma noite de sexo que quero levar pro resto da vida.

You Might Also Like

0 comentários

obrigada por seu comentário, e seja bem vindo ao blog
"Os centímetros a menos"