É, não se apega não !

02:28


Encontro-me num mundo em que as mulheres estão desacreditando no amor cada vez mais, um lugar onde curtição conta mais que uma companhia fiel.
Os homens a cada século que passa transforma esse sentimento que nós mulheres sentimos muito rápido em algo que trará sofrimento e não alivio.  Relacionamentos fracassados tornaram-se motivos para que um novo não exista, alias que tipo de pessoa quer sofrer de novo? Ninguém.   Mas poucos entendem que amar não é doença, não é motivo para se afastar.  Sabe, amar não faz mal a ninguém, mas a falta dele, há essa transforma qualquer sorriso em lagrima em poucos segundos.  Muitos das vezes que resolvi me entregar, ou que sem ter tempo de pensar sobre já estava envolvida em um labirinto com uma única saída, fugir.
Temos que aprender que quando se tem alguém que demonstra algo tão forte por você, é necessário parar para prestar atenção em cada esforço, cada sorriso e cada lagrima que você causa nessa pessoa, muitas vezes deixamos escapar por entre os dedos a felicidade em que tanto buscamos.
O tempo passou, os homens começaram a ser robôs aos olhos femininos, muitas de nós já decoramos suas desculpas e tentamos não nos envolver mais.   Mas  sabe o  bom de tudo isso? Sempre que acontece de termos nosso coração machucado ( novamente) pensamos mais em nós mesmas, colocamos na nossa cabeça que precisamos nos amar mais, passar mais tempo com as amigas, nos dedicarmos aos estudos e ao trabalho, colocamos na cabeça que precisamos crescer, não pra vocês nos notarem, mas para nosso ego, para nós mesmas.
Rapazes, entendam, nós mulheres somos 200% mais sentimentais que vocês, nós amamos mais rápido que vocês, e nossos sentimentos nos afetam muito mais que os seus.   Se vocês são mais frios , não venha com papinho furado que usa com todas, não prometa não sumir, não prometa o para sempre, não brinque com nosso coração.
E como eu aprendi  e ainda aprendo com cada fracasso: não se apega não.

You Might Also Like

0 comentários

obrigada por seu comentário, e seja bem vindo ao blog
"Os centímetros a menos"